Atualidades

A culpa é do estagiário

Gestores do grupo Reserva avaliam situações trazidas por aprendizes que estão iniciando suas carreiras

Por 2min
18 de agosto de 2020

A útlima turma de estagiários do grupo reunida (pré-pandemia, claro): tudo culpa deles

 

As queixas dos gestores da Reserva são sempre as mesmas, quando se trata de estagiários: entregas perfeitas, dentro dos prazos, sem estresses desnecessários, muitas vezes superando o briefing inicial. No Dia do Estagiário, festejado nesta terça (18), resolvemos ouvir alguns do que têm sofrido com os estudantes no trabalho. E todos são unânimes em afirmar: “a culpa é do estagiário”.

Ian Coutinho, gerente do programa Somos Todos Vendedores, do time de Trade Marketing, é um dos que não sabem mais o que fazer. Mesmo tendo ele sido também um brilhante estagiário – hoje é sócio da Reserva, reconhecido pelo programa de Notáveis da empresa.

– Estou há quase três anos na Reserva, entrei pelo primeiro programa de estágio, e tudo o que aprendi no primeiro ano na marca foi porque a culpa sempre era do estagiário: desde os primeiros projetos até parcerias com multinacionais, desenvolvimento de produtos estratégicos, enfim, várias ideias que eu tinha e pude levar até o fim com muita liberdade e autonomia pra criar – lembra. – E hoje, estando do outro lado, é muito legal ver as estagiárias que trabalham diretamente com a gente criando, inovando e sendo muito culpadas por diversos projetos estratégicos aqui na empresa – avalia.

A situação é comum a todo o grupo. Artur Machado, da Oficina, e Ana Cláudia Scofano, da Eva, também têm motivos para o desabafo.

 

 

– Aqui na Eva a culpa é toda dos estagiários. Quando essa pandemia começou, a gente não vendia online, não tinha site, e de repente se viu com todas as lojas fechadas e sem um site e, em uma semana, a gente conseguiu colocar tudo no ar por culpa dos estagiários – diz Ana Cláudia. Para Artur, a questão é quase a mesma:

– Na realidade, na Oficina Reserva o estagiário é culpado por muita coisa. As nossas grandes lideranças hoje passaram pelo estágio, na Oficina, criando e desenvolvendo setores do zero, com pouca participação nossa – afirma.

Juliana Valladares, da equipe de Digital, acredita que a situação é incontornável.

– Por exemplo, a Ju, nossa estagiária de CRM, é a culpada por todos os e-mails que a gente manda pros clientes, pelos relatórios maravilhosos que a gente faz, e é culpada por ser mais do que meu braço direito: é meu braço esquerdo também – garante.

Huiara Dias, do Departamento de Prototipagem, atribui a situação ao excesso de liberdade que os estagiários recebem na Reserva.

– Aqui eles têm total liberdade de colocar seus projetos em prática. De poder errar, acertar, de poder rever. Tornam o nosso trabalho mais fácil, dando ideias e fazendo com que a gente consiga cada dia mais trabalhar tranquilo – diz.

Atualmente, o grupo conta com 30 estagiários. A seleção de novos talentos é feita através de um processo totalmente digital e 100% remoto, avaliando o candidato em competências comportamentais e resolução de cases reais do nosso mercado.

– Primeiramente divulgamos nossas vagas no Instagram e no LinkedIn. Se for aprovado neste momento, o candidato viverá outras três etapas (entrevista online, dinâmica de grupo via Google Meeting e entrevista final com o gestor que abriu a vaga) – conta Igor Monteiro, outro ex-estagiário que hoje é gestor, como outros cinco no grupo. Igor está à frente da Escola de Rebeldia e também foi culpado de muita coisa, desde que entrou na empresa.