Atualidades

É possível ser feliz na quarentena

Pedro Salomão diz que é possível ser feliz na quarentena: "Estamos tendo uma pausa na vida"

Por 2min
31 de março de 2020 Atualizado em 01/04/2020 às 17:58

A quarentena de lives da Reserva contou com a participação, nesta segunda (30), do empresário Pedro Salomão, autor dos livros “Empreendendo felicidade” e “Lyderez”. Ele trouxe uma reflexão sobre a crise do coronavírus: “Será que esse vírus é o pontapé inicial da cura?”

– A primeira coisa que está acontecendo é esse confinamento obrigatório com as pessoas que a gente mais ama. Ou, se estamos sozinhos em casa, temos uma baita oportunidade de evoluirmos. Felicidade pra mim está ligado intimamente com a capacidade que temos de impactar o mundo. Eu não conheço ninguém que é feliz sozinho, ou é feliz pensando nas suas causas próprias – disse Pedrinho.

O fundador e CEO da Rádio Ibiza sustentou que o período atual possibilita um ótimo exercício de empatia, trazendo uma questão relevante:

– A nossa memória é seletiva, e a gente vai sair da quarentena e não vai parar pra pensar que tem um monte de gente em quarentenas compulsórias, quase que de forma eterna: pessoas que já não podiam sair de casa por causa da violência doméstica, ou da violência da região ondem vivem; que não podem usar o dinheiro do transporte público porque precisam dele para comer; pessoas que não têm acessibilidade pra sair de casa ou que já estão em quarentena há muito tempo por causa da idade. Será que quando sairmos da nossa quarentena vamos lembrar de tirar essas pessoas dessas quarentenas? Será que quando estabelecermos nosso direito de ir e vir vamos nos interessar de fato pelo humano?

Após três semanas dentro de casa, Pedrinho disse acreditar que já é possível olhar para trás e se perguntar se a evolução pessoal vem acontecendo – como pai, marido ou empresário. A propósito: para ele, não há sucesso profissional que justifique o fracasso familiar.

– Se temos medo de encarar nossos filhos dentro de casa, mas não temos medo de encarar nosso trabalho, tá tudo errado. Qual foi a última vez antes do coronavírus que você conseguiu conversar com sua esposa? – questionou, lembrando que as pessoas acabam tendo mais convivência com seus colegas de trabalho do que com sua própria família. – Você tem mais chances de mudar a vida de quem trabalha ao seu lado do que do seu próprio filho dentro de casa. Se para alcançar seu case de sucesso você tem menos tempo com seus filhos, você não vai encontrar o sucesso, vai encontrar o fracasso.

Os pensamentos positivos muitas vezes geram inércia. O que muda o mundo são as atitudes positivas

Olhando sempre o copo meio cheio, Pedro Salomão propôs “um exercício de gratidão pela capacidade que o coronavírus trouxe, de nos reinventarmos”.

– Tem um monte de gente adorando a bengala que o coronavírus trouxe pra reclamar de um monte de coisas, mas tem um monte de gente querendo fazer a diferença, empreendendo com coisas incríveis. Os pensamentos positivos muitas vezes acabam gerando inércia. O que muda o mundo não são os pensamentos positivos, são as atitudes positivas – disse.

Pedrinho Salomão estabeleceu que seu conceito macro de felicidade não consiste no resultado, mas no processo. Assim, ele diz, a felicidade mora nos detalhes – e é possível, sim, ser feliz neste momento.

– Quando a gente para de viver pelo final de semana, pelo final da quarentena, por  aquela promoção, pelo dia que a gente vai ganhar dinheiro, a gente começa a perceber que a felicidade tá nos detalhes. A gente pode ser muito feliz nessa quarentena, porque estamos tendo uma pausa na vida – disse.