Atualidades

Irmão: bom, e cada vez mais raro

Taxa de fecundidade vem caindo de forma acentuada, mas ONU projeta 'baby boom' por causa da pandemia

Por 2min
4 de setembro de 2020

Só quem tem irmão sabe como isso é bom. Porém, a taxa de fecundidade no Brasil vem caindo drasticamente ao longo do tempo – hoje, ter irmãos já não é algo tão comum. A não ser, claro, que a quarentena prolongada cause um ‘baby boom’ em breve…

Para se ter uma ideia, na década de 60 do século passado a taxa de fecundidade brasileira passava de 6 filhos por mulher, acima da média mundial; entre 2005 e 2010, passou a 1,9 filho por mulher, o que significa isso mesmo: não é todo mundo que tem a sorte de ter um melhor amigo nascido do mesmo ventre.

Antes da pandemia, a tendência era que essa taxa continuasse caindo até o fim do século, quando se estabilizaria.

A ONU alerta, porém, que cerca de 47 milhões de mulheres no mundo deixarão de ter acesso a métodos de planejamento familiar, o que deve causar 7 milhões de gravidezes indesejadas – o que já seria considerado um novo ‘baby boom’.

O Brasil, que tem um índice alto na faixa etária mais jovem (de 15 a 19 anos) possivelmente verá este efeito. O mesmo vale para países tão díspares quanto a Inglaterra (onde o Serviço de Aconselhamento sobre Gravidez prevê o pico para 2021) e a Indonésia (segundo o governo local, nascerão até 500 mil crianças a mais do que a média).

Contextualizando: o último grande ‘baby boom’ aconteceu no pós-guerra, nos anos 40. Com o fim do conflito mundial, os homens voltaram do campo de batalha e as perspectivas de procriação melhoraram, com um mundo melhor. Além disso, não havia tantos métodos contraceptivos.

No momento atual, a perspectiva não é tão animadora quanto há 75 anos. A Organização Internacional do Trabalho já estimou que pelo menos 400 milhões de pessoas perderão o emprego por causa do coronavírus – ou seja, não é o melhor momento para se ter mais uma boca para alimentar.

Venha ou não o aumento das taxas de fecundidade, ter irmãos provavelmente não voltará a ser o “novo normal”, para usar um termo pandêmico. Por isso, se você tem irmãos, celebre este Dia do Irmão (sim, ele é festejado neste sábado, 5 de setembro). Afinal, ter irmão é legal – e raro.

Em homenagem ao Dia do Irmão, a Reserva criou uma coleção exclusiva de camisetas. Confira aqui.

Curtiu? Leia também:

O mundo pós-meteoro

A quarentena nos une