Atualidades

Todo poder ao digital

Especialistas em educação e liderança dizem que briga por atenção se dará através de conteúdo

Por 2min
9 de junho de 2020

Já é sabido que ninguém sairá desta pandemia da mesma forma que entrou nela. A afirmação vale também para empresas, que aderiram ao formato ou aceleraram sua revolução digital – o tal “modo reinvenção” de que falamos. Esta semana, a TV Reserva reuniu numa transmissão Ricardo Basaglia e Alvaro Schocair, experts no tema.

– O desafio agora é como você vai se comportar nas suas redes digitais para fazer as pessoas comprarem a sua ideia, seja você uma pessoa física ou jurídica. A briga por atenção será através de conteúdo, e não mais de dinheiro, como era o marketing antes disso tudo – disse Álvaro.

Entre outras coisas, os dois falaram do momento em que ouviram o ‘estalo’ digital em suas vidas.

– Em julho de 2018, estava em Paris e vi um grupo de brasileiras famosas no Instagram no mesmo hotel que eu estava hospedado, e caiu a ficha para o mundo de sucesso digital que existia ali – lembrou Álvaro. – Em dezembro de 2018, fui almoçar com o Thiago Reis, e na hora que ele explicou pra mim o que era a Suno, e como ela tinha se posicionado na internet, e o poder das redes sociais, com as informações mastigadas por alguém de business, aprendi uma coisa: a atenção das pessoas está indo toda para o celular e apps. Entendi que não dava pra ficar de fora.

 

boas notícias

 

Para Basaglia, o estalo veio ao assistir a uma entrevista do ator Will Smith – que por sua vez explicava seu próprio estalo.

– O filho dele levou amigos da escola pra casa dele. Quando eles chegaram, ficaram impressionados com a casa gigantesca, pois ainda não sabiam que o pai era o Will Smith e trabalhava na indústria do cinema. Os meninos não sabiam quem era ele, pois ele não estava na mídia digital – contou. – Foi aí que ele pensou que não poderia continuar somente nas mídias tradicionais, se não iria acabar desaparecendo. Ele entendeu que a nova geração naquele momento não acessava mais as plataformas tradicionais.

Basaglia é headhunter e diretor-geral da Michael Page, e como tal dá dicas de carreira e liderança. Álvaro, criador do perfil @alemdafacul e analista de empresas – e alguém que não tem medo de dizer que faliu “seis, sete empresas”, mas também fez quatro IPOs. Ele também criou uma faculdade de Administração chamada LSB, com o objetivo de criar empreendedores.

– Tivemos nos últimos séculos transmissões de conhecimento, e isso morreu. Se você abrir uma escola pra transmitir conhecimento, acabou, porque a transmissão ficou gratuita com a internet, com o YouTube – disse.

Por isso, ele defende um sistema baseado em três pontos:

1 – Ordenação de conhecimento: “Não adianta ter um filho de 8 anos de idade e falar pra ela aprender Matemática no YouTube. Ele não vai saber o que procurar, o conhecimento tem uma ordem, ter um mentor, um instrutor. Uma instituição que entregue o conhecimento de forma ordenada é fundamental pra que você não fique com peças de um quebra-cabeça que pode não se encaixar”.

2 – Aplicação do conhecimento: “vai ganhar o jogo da educação quem migrar da transmissão para a aplicação, não é só mais a competência técnica que precisa, você precisa ter os componentes emocionais, comportamentais, você precisa saber como usar aquilo que tá sendo dado”.

3 – Objetivação do conhecimento: “Sei onde aplico, sei o conhecimento em si, entendi a importância da ordenação; agora, qual meu objetivo? Vai construir uma empresa? Então aponto para construir uma empresa.”