consultoria de estilo

A revolução Vans

Marca de tênis criou modelo próprio de negócios e lifestyle, e ultrapassou os 50 anos de vida conectada aos jovens

Por 2min
17 de junho de 2020 Atualizado em 10/08/2020 às 11:25

Não é qualquer marca que completa 50 anos sem envelhecer. Mas é exatamente o que aconteceu com a Vans, hoje rumo à 55ª velinha.

A marca de calçados nasceu em Anaheim, California, por obra dos irmãos Paul e Jim Van Doren (a quem deve o nome) e dos sócios Gordon Lee e Serge D’Elia. Todos eram jovens entre 26 e 35 anos.

Paul havia abandonado os estudos aos 14 anos, e por insistência da mãe, logo depois arrumou emprego numa fábrica de sapatos. Aos 34 anos, ele tornou-se vice-presidente da empresa, e no ano seguinte ajudou a fundar sua própria companhia. O know how adquirido seria fundamental na empreitada.

Mas o que revolucionou o mercado americano de então foi o fato de a própria marca vender seus produtos. No caso das Vans, a loja funcionaria no mesmo endereço da fábrica. Até então, os fornecedores ficavam à mercê dos revendedores. Paul chegou a sugerir a ideia do novo formato a seu antigo chefe, mas a proposta não ecoou.

– Ele respondeu: “Você é maluco, isso nunca vai acontecer”. Na época, revendedores mandavam nas empresas calçadistas. Eu criei o conceito da Vans para acabar com isso – disse Paul numa entrevista, no 50º aniversário da marca.

 

 

 

A loja vendeu 12 pares no primeiro dia, a preços entre US$ 2,49 e US$ 4,99. Uma década depois, a Vans tinha 70 lojas próprias – todas na Califórnia – e vendia para todos os Estados Unidos e para o resto do mundo.

Se nasceu disruptiva do ponto de vista administrativo, em termos de Branding a Vans contou com a sorte de estar no lugar certo, na hora certa e – claro – produzir o produto certo.

O conceito da Vans, desde o início, era de customizar os tênis. Quem levasse um determinado tipo de tecido para a fábrica saía de lá com seu pisante feito daquele material. E o solado era construído numa borracha dura e resistente. A combinação das duas coisas – estilo próprio e durabilidade – deu match instantâneo com a tribo skatista que nascia na Califórnia nos anos 70 (o esporte é praticamente contemporâneo da marca do qual é um sinônimo).

Tanto os jovens skatistas como suas mães – que não suportavam a fragilidade dos outros solados – abraçaram a marca. E, desde então, a Vans está para o skate como a Converse esteve para o basquete desde o advento do modelo Chuck Taylor até os anos 80. E assim a Vans vem enfileirando uma série de clássicos que não saem de linha, como o Authentic, o Era, o SK8-HI, Old Skool e o Slip On.

A Vans passou a se associar a grandes nomes do esporte, como Stacy Peralta. Depois de pendurar as pranchas (tanto as de surfe como as de skate), Peralta tornou-se diretor, e é dele o documentário “Dogtown and Z-Boys”, um ícone do skate. O resto é (muita) história.

E a boa notícia é que o estoque de Vans da Reserva acaba de ser renovado, com 16 modelos incríveis, dos clássicos às novidades.

 

 

Curtiu? Então leia também:

A alfaiataria esportiva da Umbro

New Balance: conforto é essência