Ser

Bora vender? Alfredo Soares ensina como

Alfredo Soares, autor do best-seller 'Bora Vender', tem centenas de milhares de clientes ativos

Por 2min
23 de fevereiro de 2020 Atualizado em 25/02/2020 às 17:53

Atenção, atenção: todas as roupas utilizadas por Alfredo Soares nas fotos que ilustram este texto estão à venda no nosso site! Basta clicar aqui!

Achamos que começar o texto assim seria uma boa forma de falar do autor do best-seller “Bora vender”, que chegou a 30 mil exemplares comercializados nos primeiros 60 dias pós-lançamento (!).

Alfredo Soares, 32 anos, tem atualmente 45 mil clientes ativos em suas plataformas de e-commerce – ele vende os sites prontos para quem quiser lançar-se na aventura de venda online. Outra empresa, a Social Rocket, de social media, tem mais de 150 mil usuários em sete países em todo o mundo.

— Só na Xtech [uma das empresas de e-com] a gente cria 1.500 lojas novas por dia – conta o empresário, que se define como “um comunicador”. – Meu grande propósito é inspirar as pessoas. Consegui criando empresas, e todas as que criei, ou participo de certa forma, são ferramentas para as pessoas construírem seus sonhos. Acredito que as pessoas buscam trabalhar com o que amam. Precisam amar o trabalho e fazer com que aquele trabalho proporcione a vida com a qual elas sonham.

O conteúdo do discurso remete às palestras que ele faz. Na verdade, um curso imersivo de três dias, chamado Gestão 4.0, que conta ainda com Tallis Gomes (criador da Easy Taxi), Bruno Nardon (Rappi) e Dênis Wang (Nu Bank). Em seis meses, passaram pelas mãos dos quatro 500 gestores ávidos por aquelas dicas que vão fazê-los dar o pulo do gato. A meta é fechar o ano formando mais de 700. Se esse número não for atingido, não será por falta de interessados: há 5 mil pessoas na fila de espera. Interessados precisam candidatar-se e, preferencialmente, ter indicação de ex-alunos para participar.

Só uso preto. Isso diminui a minha tomada de decisões com coisas bestas.

Publicitário de formação, Alfredo conta que a agência experimental da faculdade foi fundamental em sua trajetória. Aliás, toda a experiência universitária.

— Eu era aquele cara da Tijuca, e de repente fui pra faculdade em Ipanema. Aquela imagem que eu tinha construído a vida inteira na Tijuca, estudando no mesmo colégio e jogando no mesmo time, eu tive que reconstruir na faculdade – lembra. Talvez tenha sido aí que aprendi a construir marca, que é engajamento e conexão. Seja uma marca de roupa, de software ou uma marca pessoal. Então ali, sem saber, foi um dos primeiros momentos que tive oportunidade de perceber como se constrói marca.

E essa marca pessoal criada por Alfredo Soares, em algum momento, passou pela escolha da roupa.

— A vida inteira, o uniforme do colégio era branco. Sempre levei dois uniformes, porque ficava muito suado embaixo do braço. Quando saí do colégio foi um alívio, porque passei a usar só preto. Porque preto “deschava”, preto emagrece, é mais fácil. E principalmente pela questão do suor. Depois eu vi que eu tava me tornando um cara minimalista. Eu tava diminuindo a minha tomada de decisões com coisas bestas. Não preciso pensar. Fiquei mais eficiente nisso – afirma. Além disso, ele observa, conforto é tudo.

Como head global da VTEX – empresa com clientes espalhados por todo o mundo e com escritórios em 30 países –, é natural que Alfredo viaje muito. E seja na Índia, na Inglaterra, na Itália, nos Estados Unidos, na Espanha, no México, na Colômbia, no Chile ou Austrália… ele se veste da mesma forma. Sobre a Reserva, ele diz:

— É uma roupa focada na autoestima, pro cara se sentir confortável, pra sair do trabalho e ir pro happy hour ou pra noite. Você cruza momentos. É o que sinto quando estou vestido de Reserva.

E aí, bora comprar?